O temporal.


... Então, é quando ela se encontra sozinha,
Sem se encontrar em lugar algum,
Que sua alma transborda.
Chuva quente no rosto
Aliviando o temporal interno
Que inunda o dia a dia da moça.
A eterna busca por sentimentos
Que desapareceram junto com seu velho sorriso largo
Há tempos.
Mas que tempos?
Quanto mais ela transborda de si mesma
Mais se perde em sua busca.
Só frieza.
Lágrimas por ninguém.
Nem por si.
Se seca de tanta água.
Se recompõe com olhos inchados,
A pele branca vermelha,
As mãos perdidas nos cachos.
Veste sua fantasia de sair na rua
O disfarce da felicidade que não existe.
Sorri para o sol
Enquanto o temporal recomeça dentro dela.

(Lara Gay)

2 comentários:

fernanda disse...

Ah, que saudade que estava desse cantinho... ♥♥♥

Muito lindo! Parabéns! ♥

Leticia Oliveira disse...

Linda da minha vida!!! Que saudade que eu estava disso!!! Ameei!!

Tecnologia do Blogger.