18 de junho de 2012

Almas desertas.


De tanto te amar assim, nos confundimos dentro de nós. De você e de mim.
Por tempos que nos deram certeza da real grandeza do que nos une
Impune de egoísmo, vivemos nesse jogo entre o céu e o abismo,
Com medo de cair sem ter asas pra voltar
De encontrar o chão onde não se quer ficar.
Guardamos segredos, abraçamos conselhos, somos essa mistura de ciúme e ternura;
Uma corda na cintura que se estica quando lança, mas enrola quando cansa,
Esperando o alerta, da outra alma deserta, para encontrar sua paz
Na voz, no corpo, no olhar, no momento incapaz.
Nos termos virou sossego, refúgio de todo desapego,
Essa luta sem vencedor que nos arrebata, mas não desata,
O nó que se fez do amor.

(Lara Gay)

5 comentários:

Rique Meirelles disse...

Todo amor é um nó.

;-)

(e seu blog é lindo! Parabéns!)

beijos

Rique

Thais Moreno disse...

ESSE FOI UM DOS MAIS LINDOS.


@thamoreno_

Thays Nabuco disse...

Incrivel como você sempre escreve coisas que me engasgam e não consigo falar. Mesmo sem saber, e sem ao menos conhecer, tranfere em palavras todos os meus pensamentos.
Toda vez que visito o seu blogger, tenho a mesma sensação... sensação de liberdade, de que não sou a unica a ter esses tais sentimentos que você descreve nos textos.
Me sinto bem de saber que sempre vou encontrar um lugarzinho (um bloggerzinho) onde eu consiga me consolar e até mesmo decifrar o que se passa em minha mente.
É menina, assim como Clarice Lispector, você é merecedora de todos os elogios e aplausos. Continue assim, sendo uma excelente escritora. Que mesmo sem notar, consegue expressar sentimentos entalados de várias pessoas.
Um enorme PARABÉNS por cada texto escrito, cada pensamento compartilhado.
Muitos beijos.

A. Le Savoldi disse...

o nó do amor... é lindo!

Rafaela Gircis disse...

Lindo,incrível,impossível não se emocionar,você escreve muito,mais muito bem,parabéns :)