28 de fevereiro de 2010

a princesa que eu conto

quem é você boneca de pano?
serena princesa perdida entre sapos
solta teu verbo
grita bem alto
alivia essa dor que maltrata teu peito
esmaga toda mágoa com o peso da tua voz
... doce ...
ilumina o que é turvo com o verde dos teus olhos
você pode mais que pensa
você vive mais que morta
o mel escorre em teus cabelos
deixa o teu gosto engasgar na boca alheia
sorria a quatro ventos entre gritos de alegria
voe com tua saia rodada até os pés
de onde você vem gata borralheira?
pra onde vai tanta insegurança?
segura em tua trança, rapunzel
a força vem da ferida aberta
tua beleza é o pecado de quem olha
tua sede é o lábio de quem se foi
tua fome não tem nome
... ainda ...
menina da terra
menina do palco
confia no teu passo em falso
é mais verdadeiro que a palavra do vizinho
teu caminho tem perfume
tua luz que te conduz
pureza fatal na pele de criança
poesia perdida na dança
não se torture, fera
a tua bela está dentro de você.

(Lara Gay)

6 comentários:

Marcelo Mayer disse...

a beleza está na vida sem fantasia

nat_melman disse...

Que lindo ! Minha gemula escreve lindamente , e de uma certa forma acho que tem muito de voce no que voce escreveu pra mim!

Michelly Barros disse...

e que essas palavras sejam repetidas como um mantra.

Sara disse...

O seu mel está nas palavras...muito lindo como sempre, não canso de dizer...
de voo em voo descobri seu livro, creio que ainda não esteja disponível por cá em Lisboa, mas pedirei a amigos que me comprem, estou anciosa por ler...
beijinhos

Le Savoldi disse...

"poesia perdida na dança"... absolutamente poética!

Daiane Braghin disse...

Olá, Lara.
Uma amiga e eu adaptamos este teu poema para homenagear uma pessoa que muito estimamos – Regina Volpato. A adaptação está em meu blog. Teu nome consta na versão original, como se deve.
Esta noite tive um sonho envolvendo esse poema. Segue...
... deixei um comentário no teu blog contando sobre nossa adaptação do poema. Não lembro se te pedi pra entrar no meu blog. Só lembro que você entrou e ficou maravilhosamente abobada, rs. Me deixou um comentário maravilhoso no teu blog mesmo. Me perguntou quem era Regina Volpato, e por que adaptamos este poema pra ela.
Muitas pessoas viram meu comentário no teu blog e também ficaram maravilhadas. Me procuraram. Me deixaram VÁRIAS perguntas. Eu estava hesitante, não sabia o que te responder, tampouco para as outras pessoas.
Vou te descrever o cenário, mas sei que minha descrição será infinitamente menor do que eu vi no meu sonho.
Tinha uma parede virtual num lugar bem parecido com uma danceteria, com luzes. Nesta parede aparecia uma sequência com fotos de pessoas populares, das pessoas que eram procuradas por curiosos, fãs, etc... Em cada foto tinha uma pergunta para a pessoa responder. Minha foto, uma que sempre uso no msn, aparecia várias vezes, em fila - ou seja, havia várias perguntas para mim.
Eu estava feliz, muito feliz e assustada. Não sabia o que fazer diante de tanto “assédio”.

Espero que não se chateie com a adaptação que fizemos do teu poema. É uma verdadeira obra prima. Parabéns!

Beijos,
Daiane