6 de janeiro de 2010

a Atriz e o Poeta


Assuma a culpa por sua vontade, atriz
Foi só o pecado da liberdade
Você teve o que o pulsar quis
A beleza é sua ingenuidade
O poeta transborda paixão por ti
Seus olhos medrosos tentam fugir
Cada dia nasce seco e vazio
Levando uma vida sem desejos reais
Procurando refúgio por um fio
Se perdendo no poeta cada vez mais
Ache sua seta sem meta sem reta
Curvas perigosas alimentam solidão
Fuja da ignorância arrogância intolerância
Seu maior guia não é a razão
Atriz da tristeza
Qualquer certeza se desfaz
Se embebede de versos sinceros
Dançando nas ondas do caos em paz
Siga seu ritmo com melodia torta
O que te domina não mais importa
Não desista do que conduz seu viver, atriz
O poeta precisa te fazer feliz.

(Lara Gay)

2 comentários:

Le Savoldi disse...

Nota-se que é um amor genuíno... Se eu fosse essa atriz, certamente já teria me entregado a esse poeta que nasceu para fazê-la feliz! =)

VIVA O AMOR!!!

Alonso Zerbinato disse...

Que a vida seja feita de palavras adocicadas e atitudes justas. :)