19 de dezembro de 2009

Pendurei as minhas asas


Pendurei as minhas asas
Machucadas de voar
De tentar achar espaço
De bailar no seu cansaço

Pendurei as minhas asas
Desbotadas com seu beijo
Sem registros de outrora
Sem seu gosto que demora

Pendurei as minhas asas
Cansadas de covardia
Com a dor do seu adeus
Com calor dos braços teus

Pendurei as minhas asas
Perdidas no seu sopro
Fui sua rima no infinito
Fui o erro do conflito

Pendurei as minhas asas
Sem vergonha com certeza
Pé no chão e descalça
Por legítima defesa

(Lara Gay)

7 comentários:

Pequena :) disse...

Isso me lembrou uma música que eu amo de paixão:

Hoje não dá
Hoje não dá
Esta um dia tão bonito lá fora
E eu quero brincar

Mas hoje não dá
Hoje não dá
Vou consertar a minha asa quebrada
E descansar.


O que deveríamos fazer mais vezes né? Curar feridas e descansar.

Bruna Savaget disse...

..pendure as asas mas não deixe de voar..

Sinhá Flor disse...

E que a asa descanse
guardada em um canto
enquanto você cura o seu pranto
que o tempo passe
...
e você a coloque
pronta novamente para voar
sem medo de errar!

Melancia disse...

que profundo,
e triste, ao mesmo tempo.

Alonso Zerbinato disse...

Essas asas brancas e pesadas não combinam com você. Talvez uma pétala de violeta...

Jarbas Albuquerque disse...

se fosse fácil ter asas, todo mundo teria...

Jarbas Albuquerque disse...
Este comentário foi removido pelo autor.