24 de dezembro de 2008

estou aprendendo...


... a conviver comigo!
nunca pensei que fosse tão difícil a convivência diária comigo mesma.
de repente parei pra prestar atenção em mim e percebi a quantidade de detalhes que eu tenho e nunca reparei, e cá entre nós, tenho tantas coisas estranhas que chego a conclusão que não me conheço.
tenho me observado. e é um tanto quanto interessante observar a si mesmo. a gente passa a ver com outros olhos o que nos incomoda.
como num transtorno obsessivo compulsivo, só consigo levantar da cama com o pé direito! ... talvez seja uma forma inconsciente de começar bem o dia.
minha risada é aguda, como se fosse um berro que vai diminuindo com o ar... de repente comecei a gostar dela! começou a me soar como o sino da igreja dos capuchinhos, onde cresci ouvindo as badaladas das seis da manhã, meio dia e seis da tarde. uma risada quase bíblica.
sabe extremos? sabe ou você ama ou você odeia? pois é... bem leonina, não? bem eu, sim!
achar o meio termo é importante, mas às vezes é tão bom poder pular no mar de vestido sem saber nadar segurando a mão de alguém, ou então ficar sentada na beira da calçada vendo as ondas bem de longe dançando... iluminadas pela lua cheia.
se for pra andar de bicicleta que seja pra pegar o aterro, passar por botafogo, copacabana, ipanema e dar a volta na lagoa. pra quê se contentar com a esquina quando se tem uma orla inteira numa reta?
gritar??? bem alto! e durante o túnel inteiro com a janela aberta!
estou aprendendo a conviver comigo, e está sendo tão agradável a minha companhia.
eu descobri que não tenho um gosto certo, e não sou obrigada a ter. agora, quando me perguntam qual é o meu tipo, eu respondo: me apaixono pela alma das pessoas!
e é tão bonito me surpreender comigo mesma a cada passo que eu dou.
é tão agradável contar os passos do corredor até o elevador sem me sentir uma louca.
é tão agradável dançar feito louca no meio da festa como se ninguém tivesse olhando.
um vício? fotos!
uma terapia talvez...
mas nos clicks eu descubro um pouco mais de mim, e me agrada tanto ver a flor desabrochada em foco ao lado de um broto. é interessante observar meu cachorro durante 15 minutos com a câmera na mão pra em um segundo registrar ele olhando pra máquina... eu descobri através da fotografia que que eu posso ser tão simples quanto o nascer do sol da minha janela.
convivendo comigo comecei a aceitar que não sou forte o suficiente pra carregar as compras do mercado sozinha pra casa, mas que posso ser forte o suficiente pra ver o amor da minha vida passar na minha frente ao lado de outra pessoa.
estou aprendendo a conviver comigo, com essa necessidade de expressão que tenho, com essa necessidade de ser amada, com essa necessidade de ver o mar, com essa necessidade de ser artista, com essa necessidade de ser humano.
estou aprendendo a conviver comigo, o que facilita meu convívio com os outros!
estou aprendendo tanto que já até acho graça quando caio na escada do metrô.
... agora eu rio de mim.

(Lara Gay)

2 comentários:

Michelly Barros disse...

você me emociona, me dá força, me surpreende, me faz chorar e sorrir ao mesmo tempo, me faz achar o extremo do meio das coisas. sou apaixonada, além da sua alma, pelo seu coração.

kito disse...

engracado a convivencia com nohs mesmos, pq eh TAO facil conviver com voce... sempre uma aventura... aventura que eu amo!!!